Bem-Vindos. Sentem-se em volta da fogueira, peguem uma xícara de chá e comecemos a aprender os mistérios antigos e a desvendar segredos esquecidos.
Trilhem connosco a floresta sobre o olhar atento da Lua...

Novos artigos serão sempre publicados à segunda-feira e à sexta-feira.




sexta-feira, 21 de abril de 2017

Rito dos Fogos Sagrados de Hékate


O Ritos dos Fogos Sagrados de Hékate é uma celebração internacional em honra da Deusa Hékate, senhora dos Mistérios e da Magia.  Esta celebração nasceu da antologia "Hekate: Her Sacred Fires", um projecto escrito por Sorita d'Este e outros devotos de Hékate. Ao longo dos anos, após a primeira celebração em Maio de 2010, esta celebração foi traduzida em diversas línguas (actualmente já foi traduzida em mais de 25 línguas) e centenas, se não milhares, de pessoas celebram este rito tornando-o uma celebração anual na Lua Cheia de Maio.

Actualmente este rito é organizado anualmente e é facilitado por vários membros do Covenant of Hékate que dedica o seu tempo e energia para garantir que todas as informações se encontram disponíveis para que os praticantes possam aprender e participar nesta celebração anual.

O rito encontra-se disponível em Português e pode ser celebrado em grupo ou individualmente.

Recomendo, sem dúvida, a participação no Grupo de Facebook do Rite of Her Sacred Fires (em inglês) no qual podem esclarecer dúvidas sobre o ritual e até encontrar práticas e rituais abertos na vossa zona (existem vários no Brasil, recomendo sem dúvida visualizar no grupo onde se irão realizar!).

Ao final de cada ritual, todos os anos, são compiladas fotos de altares, rituais e celebrações do Mundo inteiro e é feito um vídeo que é disponibilizado no Youtube. Podem ver os vídeos dos anos anteriores através deste link e talvez tirar inspiração para a realizar do vosso próprio rito.

Para mais informações acerca da celebração do Rito dos Fogos Sagrados de Hékate devem sempre consultar a página oficial do Covenant of Hekate.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Textos Mágicos: A Carga da Deusa


A Carga da Deusa é um dos textos mais importantes da Wicca, foi escrito por Doreen Valiente (modificado do original, escrito por Gerald Gardner) em meados do século XX. Aqui apresentamo-vos a versão original em inglês escrita (conforme se encontra na página da Doreen Valiente Foundation) e fornecemos ainda um vídeo de Youtube no qual contamos com a belíssima recitação por parte da Kate West.

No final ainda tem a versão da Carga da Deusa já traduzida para português.  

Original: Charge of the Goddess © Copyright the Doreen Valiente Foundation

Listen to the words of the Great Mother, who was of old also called Artemis; Astarte; Diana; Melusine; Aphrodite; Cerridwen; Dana; Arianrhod; Isis; Bride; and by many other names.

Whenever ye have need of anything, once in a month, and better it be when the Moon be full, then ye shall assemble in some secret place and adore the spirit of me, who am Queen of all Witcheries.

There shall ye assemble, ye who are fain to learn all sorcery, yet have not yet won its deepest secrets: to these will I teach things that are yet unknown.

And ye shall be free from slavery; and as a sign that ye are really free, ye shall be naked in your rites; and ye shall dance, sing, feast, make music and love, all in my praise.

For mine is the ecstasy of the spirit and mine also is joy on earth; for my Law is Love unto all Beings.

Keep pure your highest ideal; strive ever toward it; let naught stop you or turn you aside.

For mine is the secret door which opens upon the Land of Youth; and mine is the Cup of the Wine of Life, and the Cauldron of Cerridwen, which is the Holy Grail of Immortality.

I am the Gracious Goddess, who gives the gift of joy unto the heart. Upon earth, I give the knowledge of the spirit eternal; and beyond death, I give peace, and freedom, and reunion with those who have gone before. Nor do I demand sacrifice, for behold I am the Mother of All Living, and my love is poured out upon the earth.

Hear ye the words of the Star Goddess, she in the dust of whose feet are the hosts of heaven; whose body encircleth the Universe; I, who am the beauty of the green earth, and the white Moon among the stars, and the mystery of the waters, and the heart’s desire, call unto thy soul. Arise and come unto me.

For I am the Soul of Nature, who giveth life to the universe; from me all things proceed, and unto me must all things return; and before my face, beloved of gods and mortals, thine inmost divine self shall be unfolded in the rapture of infinite joy.

Let my worship be within the heart that rejoiceth, for behold: all acts of love and pleasure are my rituals. And therefore let there be beauty and strength, power and compassion, honour and humility, mirth and reverence within you.

And thou who thinkest to seek for me, know thy seeking and yearning shall avail thee not, unless thou know this mystery: that if that which thou seekest thou findest not within thee, thou wilt never find it without thee.

For behold, I have been with thee from the beginning; and I am that which is attained at the end of desire.


Tradução em Português: A Carga da Deusa

Ouçam as palavras da Grande Mãe, que, em tempos idos, era chamada de Ártemis, Astartéia, Dione, Melusiana, Afrodite, Ceridwen, Diana, Arionrhod, Brígida e por muitos outros nomes:

Quando necessitar de alguma coisa, uma vez no mês, e é melhor que seja quando a lua estiver cheia, deverá reunir-se em algum local secreto e adorar o meu espírito que é a rainha de todos os sábios. Você estará livre da escravidão e, como um sinal de sua liberdade, apresentar-se-á nu em seus ritos. Cante, festeje, dance, faça música e amor, todos em minha presença, pois meu é o êxtase do espírito e minha também é a alegria sobre a terra. Pois minha lei é a do amor para todos os seres. Meu é o segredo que abre a porta da juventude e minha é a taça do vinho da vida, que é o caldeirão de Ceridwen. que é o gral sagrado da imortalidade. Eu concedo a sabedoria do espírito eterno e, além da morte, dou a paz e a liberdade e o reencontro com aqueles que se foram antes. Nem tampouco exijo algum tipo de sacrifício, pois saiba, eu sou a mãe de todas as coisa e meu amor é derramado sobre a terra.

Atente para as palavras da Deusa estelar, o pó de cujos pés abrigam-se o sol, a lua, as estrelas, os anjos, e cujo corpo envolve o universo:

Eu que sou a beleza da terra verde e da lua branca entre as estrela e os mistérios da água, invoco seu espírito para que desperte e venha até a mim. Pois eu sou o espírito da natureza que dá vida ao universo. De mim todas as coisa vêm e pra mim todas devem retornar. Que a adoração a mim esteja no coração que rejubila, pois, saiba, todos os atos de amor e prazer são meus rituais. Que haja beleza e força, poder e compaixão, honra e humildade, júbilo e reverência, dentro de você. E você que busca conhecer-me, saiba que sua procura e ânsia serão em vão, a menos que você conheça os mistérios: pois se aquilo que busca não se encontrar dentro de você, nunca o achará fora de si. Saiba, pois, eu estou com você desde o início dos tempos, e eu sou aquela que é alcançada ao fim do desejo.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Como criar um ritual?

Este artigo pretende ser apenas uma base de como criar um ritual simples, seguindo a estrutura tipicamente utilizada na Wicca e que pode ser adaptada a outros caminhos. Não é para ser seguido "à risca" e sem adaptações, é apenas uma orientação para quem está a começar e não sabe ao certo como criar os seus rituais, como estruturar as suas práticas. Assim sendo com este artigo iremos abordar alguns pontos essenciais na criação e organização de um ritual.

O primeiro ponto a ser abordado é o plano do ritual. Evite ir para um ritual sem ter uma estrutura definida, assim previne situações como precisar de um incenso específico para o que quer fazer e não ter, precisar de uma oração e ter-se esquecido do papel onde a tinha escrito, etc. Planeie tudo e estruture como vai decorrer o ritual. Para que é? Qual a finalidade? Qual a duração aproximada de tempo que pode dispensar para ele? Como é o espaço? Estas são perguntas importantes a serem respondidas na fase de planeamento. As invocações e frases a serem proferidas podem, ou não, ser escritas com antecedência, isto ficará ao gosto do praticante: Há quem goste de já ter tudo organizado e escrito e que prefira deixar dar asas à imaginação do momento. Faça uma lista dos instrumentos que precisa, do que vai usar, como vai ser o ritual e tenha tudo à mão. O segundo ponto está incluído no primeiro e é a escolha das correspondências: Organize quais os incensos, velas, ervas, óleos e todos os materiais que vai utilizar com base nas suas necessidades, a fase da Lua que vai escolher para realizar o ritual, a altura do dia, etc. 

De seguida é necessário, e ainda ligado ao primeiro ponto, é escolher as divindades ou entidades que iremos contactar ou, na ausência destas, estabelecer as alternativas (elementos, elementais, etc.). Recorde-se de evitar iniciar um ritual com uma divindade ou entidade que não conhece. Investigue sempre um pouco da história e mito da divindade/entidade para estar familiarizado com o que esperar. Evite, principalmente no início, misturar panteões e também Deuses cujos mitos são opostos (ex: Evite um ritual com Cronos e Zeus, afinal de contas, nos seus mitos existem conflitos entre as suas divindades e poderá gerar uma energia desagradável no ritual).

Agora vamos para a parte prática. O primeiro passo é preparar o espaço, pode fazer uma purificação ao espaço que iremos utilizar. Pode ser feito com incenso, ervas queimadas ou até com água e sal. Também pode tomar um banho de água e sal e ervas relacionadas com o ritual que está a fazer. Arrume também o seu altar, caso tenha ou vá utilizar um, e garanta que dentro do espaço mágico estão todos os ingredientes e materiais que precisa para evitar ter de "cortar" o círculo para ir buscar algo.

Após garantir que está tudo correcto e pronto pode lançar o círculo e traçar o espaço mágico. Existem imensos métodos para tratar o círculo e isto depende de cada praticante. Depois do espaço mágico estar pronto está na altura de realizar o feitiço que pretende realizar ou celebrar o rito em questão, no caso de celebrações sazonais é nesta altura que se inicia o rito em si.

Se estiver a realizar um feitiço que envolva canalizar e elevar energia (o chamado Cone de Poder, por exemplo) é após realizar as celebrações ou feitiços que pode realizar. Não se esqueça, claro, no fim de fazer o aterramento das energias (deitando-se no chão com as palmas das mãos para baixo e sentindo a sua energia voltando à Terra e recebendo outras energias também). Tenha sempre precaução ao lidar com as energias, principalmente as suas, e garanta que faz o aterramento corretamente para garantir que evita efeitos secundários como náuseas, cansaço, nervosismo, etc. devido à falta de aterramento das energias.

Por fim faça o encerramento do ritual, fechando o círculo, agradecendo a presença de todas as divindades e entidades. Desfaça o espaço que organizou e referente às velas e incensos deixe arder até ao fim, exceptuando nas situações em que o ritual que está a organizar pede especificamente que seja dado outro fim aos materiais (queimar, enterrar, colocar num rio ou mar, etc.).

Este é um planeamento muito simples e básico de um ritual para quem está a começar e não está acostumado a realizar ritos. Resumindo:

  1. Planeamento do ritual
  2. Escolha das divindades ou entidades (ou as alternativas, dependendo da prática de cada um)
  3. Preparação do espaço
  4. Traçar o círculo e dar início ao ritual
  5. Celebração/Feitiço/Parte central do ritual
  6. Levantamento e Canalização de Energia (se aplicável)
  7. Aterramento de energias (recomendável)
  8. Encerramento do ritual
E, por fim, não se esqueça de escrever no seu Livro das Sombras ou no seu registo pessoal sobre o rito realizado. Pode aproveitar o planeamento que fez para facilitar e, no fim, adicionar os seus comentários. Como correu? Quais os resultados? Como foi a sensação? O que sentiu? O que viu? etc. O apontar e guardar as suas experiências permite não só ter registos para repetir posteriormente mas também para analisar o que já foi feito, o que funcionou, o que não funcionou, etc.

E vocês, leitores? Qual o vosso método favorito para realizar rituais? Qual a estrutura que usam?

sexta-feira, 31 de março de 2017

Como Começar o Caminho


O primeiro passo é sempre o mais díficil e o que custa é iniciar o caminho.

Para quem está a começar a aprender sobre Bruxaria e Paganismo, principalmente se estiver a iniciar o caminho de forma solitária, existem sempre muitas dificuldades e obstáculos. Não planeio com este artigo acabar com todas essas dificuldades mas quero dar uma ajuda a quem está a começar. Uma especíe de orientação inicial com base nas principais perguntas que fazemos a nós próprios quando começamos. Todos nós, tenhamos muitos anos ou não de prática, já começamos por algum lado, de alguma forma, em alguma altura. E nunca nos devemos esquecer de onde viemos e o pouco que sabíamos no início, por isso, vamos começar com as principais questões:

  • Qual caminho escolher?
Esta não é, de todo, a prioridade. Não se preocupe com rótulos, muito menos no início. Estude, medite, vivencie o que a prática e o estudo tem a lhe dar. Claro que, eventualmente, irá traçar do seu caminho e escolhê-lo: A vertente mais famosa dentro do Paganismo e da Bruxaria é a Wicca mas a Wicca não é sinónima de Bruxaria, ela é apenas uma das vertentes da Bruxaria. Aliás recomendo ler o artigo sobre Conceitos: Paganismo, Bruxaria e Wicca de forma a distinguir cada um destes três conceitos que muitas vezes se confundem, principalmente para quem está a começar. Mas, para além destes, existem muitos mais: Reconstrucionismos (Grego, Romano, Egípcio, Maia, Celta, etc.), Xamanismo, Druidismo, Bruxaria Tradicional, entre muitos e muitos outros! Não precisa de escolher um e ficar nesse até ao fim, nem sequer precisa de escolher um, pode apenas trilhar o seu próprio caminho ou, caso escolha um caminho, pode acabar por mudar se vir que não se identifica. Por enquanto, no início, não se preocupe com rótulos.

  • Tenha uma mente crítica
Charlatães há em todos os caminhos e o Paganismo e a Bruxaria não são isentos disso. Tenha sempre muita atenção ao que lê e ao que lhe dizem. Não acredite em tudo o que lê nem em tudo o que lhe dizem nem em tudo o que vê ser feito. Seja crítico, investigue, vá ás fontes, não desista. Tenha atenção aos "cursos"que são disponibilizados, principalmente no Brasil onde é frequente isso acontecer, e as iniciações compradas. O rito iniciático, como na Wicca, é um ritual muito intímo entre o Iniciante e o Iniciado pois estabelecerá uma ligação para a vida entre os dois e não deve ser nem realizado de ânimo leve nem como uma "compra" ou "aquisição". Requer todo um período de estudo e dedicação, por isso, não caia na conversa de todos os que prometem "mundos e fundos". Seja crítico e cuidadoso no seu caminho.

  • A família não permite
Este é um ponto importante e muito falado, principalmente por quem tem menos de 18 anos. Porém a realidade é que, se tem menos de 18 anos, e os seus pais não deixam que tenha altar, compre livros de Bruxaria, vá em eventos ou celebrações públicas, estude Bruxaria não há nada a fazer, pois eles são seus pais e deverá respeitar a sua decisão. Aproveite para ler sites e conteúdos online, se conseguir, e quando for a livrarias com amigos aproveite para folhear alguns livros e aguarde pacientemente pela chegada da maioridade. "A paciência é uma virtude" é uma frase importante nestes casos e pode ser posta em prática. Seja paciente, se o caminho para si for a Bruxaria e o Paganismo terá uma vida inteira e não serão 4 ou 5 anos que farão diferença no seu percurso.

  • Não encontro grupos nem covens
A maioria dos covens realiza o seu culto e prática em segredo e, a menos que conheça um dos momentos é que saberá que ele existe (e, às vezes, nem assim). É raríssimo covens terem grupos online ou sequer procurarem novos membros. E, como falamos, não necessita obrigatoriamente de fazer parte de um coven (nem da Wicca) e pode trilhar o seu caminho solitário. Se não gostar da ideia de estudar sozinho pode optar por criar um grupo de estudos na sua zona. Assim não envolve qualquer tipo de iniciação nem corre o risco de ser chamado de "charlatão" mas ao mesmo tempo consegue reunir um espaço e um grupo de pessoas interessadas em estudar mais sobre Bruxaria e Paganismo e podem começar a aprender juntos. Porém se quiser encontrar mais gente na sua zona pode sempre recorrer ao Witches' Voice ou, no caso de ser do Brasil, o fórum da Tradição Caminho das Sombras contém uma parte para praticantes colocarem de onde são e encontrarem outros praticantes ou interessados.

  • É dificil demais!
Ninguém disse que iria ser simples. Pelo contrário, muitos Bruxos e Bruxas afirmam que Bruxaria e Paganismo são caminhos díficeis e eu concordo. A Bruxaria e o Paganismo e os seus respectivos caminhos não são práticas fáceis nem práticas para as "massas". Isto porque todos eles requerem trabalho, estudo, esforço, dedicação, investimento de tempo, sacríficios pessoais, entre outros. Trilhar os caminhos dentro da Bruxaria e até do Paganismo exige muito do praticante mas as recompensas a nível pessoal são fantásticas e, que fique claro, não me refiro a recompensas monetárias mas sim a nível da nossa vida, do nosso crescimento, ligação com o que nos rodeia e com o que praticamos. Sei que é complicado, e acima de tudo quando trilhamos sozinhos o caminho, mas devemos ser perseverantes e dedicados, principalmente se sentirmos dentro de nós que este é o caminho certo e o caminho que queremos. Se, a certa altura, acharmos que não é, tudo bem. Basta parar e seguir em frente. O destino não está escrito em pedra e, desde que a nossa prática nos permita (digo isto pois há quem faça juramentos e compromissos com Deuses ou outras entidades que não podem ser quebrados) podemos parar e mudar. O mundo está em constante mudança, porque não estaríamos nós também?

Para além deste artigo recomendo também que vejam a área para Iniciantes aqui no blogue que dispõe de vários artigos que podem ajudar e, no caso de pretenderem iniciar o caminho na Wicca, recomendo também o artigo Recursos para Iniciantes (Wicca) para ajudar no estudo de cada um.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Sigilos: Como activar?



Quando criamos um sigilo é necessário investir energia pessoal no mesmo. Energizá-lo. Durante o processo criativo e de construção do sigilo criamos a energia referente ao mesmo, o seu significado. Agora necessitamos de libertar o mesmo para que o mesmo inicie o seu trabalho. A este passo também há quem chame de consagrar o sigilo, libertar o sigilo, carregar o sigilo, entre outros termos. O que interessa é a acção e não o nome que lhe damos.
Materiais necessários:
  • Algo com que escrever (caneta ou lápis).
  • Papel
  • Uma vela ou outro tipo de chama.
  • Um recipiente de metal ou de cerâmica no qual seja seguro queimar um pedaço de papel
 Aqui será necessário novamente criar o espaço sem distrações. Se estiver a passar do estado de criação para o de activação logo de seguida, pode continuar no espaço em que estava. Este processo também não demora muito e, com a prática, tornar-se-á ainda mais rápido (tal como o processo de criação). Mantenha o seu estado de espírito limpo e sem distrações. Respire fundo algumas vezes para voltar a focar-se no intuito do seu trabalho. Assim que estiver, acenda a vela ou o fogo onde irá queimar o pedaço de papel. Garanta que faz tudo com cuidado para evitar provocar incêndios acidentais.
Agora é a parte em que iremos "invocar" o sigilo, por assim dizer. Será necessário desenhar o sigilo criado num papel (ou, caso já tenha, pode usar esse mesmo papel apenas traçar por cima do mesmo). Pode utilizar outros materiais de escrita, se preferir, tendo sempre em atenção se o mesmos não irão ter nenhuma reacção adversa ao serem queimados. Pegue no pedaço de papel e, caso o mesmo seja muito grande, pode sempre rasgar à volta até ficar apenas com o símbolo. Agora foque-se no símbolo. Olhe atentamente, recorde-se porque motivo o criou e qual o intuito para o mesmo. Para que serve? Qual o objectivo? Quais os resultados que quer? Ouça atentamente à sua intuição e energia interior, medite sobre o símbolo, como o mesmo lhe faz sentir, etc. Se achar que algo não está bem, pare. Não continue a activação de um símbolo de que não gosta ou que sente que não vibra consigo. Comece do início e crie um novo. Mais vale ter trabalho a dobrar do que ter trabalho para nada, não é?
Assim que sentir que tudo está certo e que o sigilo é exactamente aquilo que pretende, é altura de continuar e libertar a energia do sigilo. Aqui existem diversos métodos (meditação, enterrar o símbolo, deitar o símbolo em pedacinhos ao vento, carregar o símbolo através de magia sexual, etc.). Para este exemplo em específico iremos queimar o papel onde desenhamos o sigilo. Queime uma parte do papel e coloque dentro do recipiente onde irá queimar e visualize, enquanto o papel queima, toda a energia do sigilo a prolongar-se pela sua vida (passado/presente/futuro) e a manifestar-se da forma desejada. Visualize os resultados que quer que aconteçam e veja o seu símbolo a ser liberto para agir no universo. (Nota: Se o papel se apagar, não se preocupe. Volte a acender até queimar na totalidade, apenas significa que o papel tem dificuldades em queimar e não tem qualquer significado obscuro por detrás disso nem deve sequer ficar a pensar nisso ou a ter paranóias pois apenas irão prejudicar o trabalho que está a ser realizado!).
Existem outras formas de ter sigilos em acção. Seja em cadernos, em amuletos, em comidas, em ficheiros de imagens escondidos para protecção, etc. O uso dos sigilos é imenso e depende do praticante. Conforme for experimentando, usando e mexendo vai ganhar novos hábitos e formas de trabalhar. A prática leva à perfeição por isso não tenha medo de experimentar e criar novos sigilos, aplicá-los em novos locais, etc. Seja imaginativo e tudo dará certo!
E vocês, leitores? Usam sigilos? Como trabalham com eles? Usem a caixa de comentários e partilhem connosco como é o vosso trabalho com sigilos e dicas para outros praticantes!

sexta-feira, 24 de março de 2017

Sigilos: Como criar?




Já por diversas vezes falamos aqui no blog sobre Sigilos e creio que está na altura de dedicarmos um artigo inteiro a esta temática. A criação de sigilos é algo fantástico e bastante útil para vários Bruxos e Bruxas. É um método prático, simples e eficaz de manifestarmos as energias desejadas e de realizar feitiços de forma discreta e, ao mesmo tempo, artística.

Sigilos são parte de um sistema mágico chamado "Magia do Caos" e são uma excelente introdução a este tipo de Magia porém, é de relembrar, que não é necessário praticar a Magia do Caos no geral e na sua totalidade para utilizar sigilos (tal como não é preciso ser Bruxo de Cozinha para fazer magia com cozinhados, Bruxo Natural para usar elementos, etc.). A criação e activação de sigilos é um processo fácil e prático e é um método com um vasto registo de que funciona. Se procurarem online pelo tema irão encontrar diversas situações em que os praticantes indicam que o método funcionou de forma excelente e fantástica. Outro motivo porque os sigilos são tão famosos e utilizados é porque não requerem nenhuma divindade nem entidade o que se torna extremamente prático e acessíveis para quem trabalha com Bruxaria ou Magia mas não presta culto a divindades/entidades (ver Bruxaria sem Deuses).

Agora, o que é um sigilo? Um sigilo é um símbolo. É um símbolo que representa um determinado objectivo ou desejo e que o Bruxo pretende que este desejo ou objectivo se manifeste na sua vida e na sua realidade.

Como se cria um sigilo? Há várias formas. Podemos criar nós mesmos o sigilo ou podemos comprar ou encomendar a outros praticantes ou até podemos utilizar sigilos já criados e disponibilizados na Internet. Se optarmos por sermos nós próprios a criar o sigilo podemos fazê-lo da forma tradicional ou recorrer a aplicações informáticas (recomendo, por exemplo, o site Sigilscribe que cria o sigilo por nós com base na frase que introduzirmos). O processo de criação de um sigilo é constituído por duas fases. Criação e Activação.

Neste artigo iremos ensinar a criar um sigilo básico.

Materiais necessários:
  • Algo com que escrever. Um lápis ou caneta.
  • Papel em branco (algumas folhas)
Encontre um local calmo onde possa trabalhar sem qualquer distracção. Desligue a TV, o telemóvel, as luzes fortes e todos os sons exteriores que possam prejudicar a sua concentração. Se pretender coloque alguma música ambiente ou sons da Natureza de fundo para evitar que ouça os sons do exterior. Se pretender e se sentir mais confortável pode também lançar um círculo mágico ou criar uma zona de conforto, dependendo do método utilizado na sua prática pessoal. O objectivo principal é que consiga um local sem distracções, calmo e que seja propício aos trabalhos mágicos. Assim que tiver o seu local encontrado e preparado tire alguns minutos para meditar e limpar a sua mente. Limpe a sua mente de todas as distracções exteriores e foque-se no que está a fazer. Se não estiver familiarizado com meditação ou não gostar da prática pode apenas respirar fundos algumas vezes e relaxar o corpo.

Agora que está no mindset correcto iremos começar a trabalhar. Escreva uma frase com o seu desejo ou objectivo. Seja extremamente claro na suas palavras, específico e o mais sucinto possível. Utilize sempre as frases no presente como coisas que já estão a ser manifestadas no actual como "Eu tenho sucesso no meu emprego", "Eu encontro o amor e mereço ser amado". Evite frases longas como "Eu quero que o José se apaixone por mim e fique comigo" troque, por exemplo, por "Quero ser amado por um homem/mulher que me trate bem". Vamos usar uma frase como exemplo:


Comecemos por tirar as vogais da frase. Isto porque as vogais são as formas mais fáceis de distinguirmos palavras. Já notaram que quando jogam os jogos de Palavras Cruzadas ou Forca que as vogais são sempre as primeiras a serem usadas por serem mais fáceis de adivinhar as palavras? Então, comecemos por tirar as vogais.


Já nem parece uma frase, pois não? Agora vamos remover todas as consoantes repetidas pois elas não terão grande uso no sigilo final e apenas estão a incomodar. E, também, quanto mais simples o símbolo for, melhor.


Agora sim parece algo confuso e nem parece uma frase. Excelente, é exactamente esse o nosso objectivo. Agora vem a parte mais intuitiva. É necessário pegar nas letras e formar um símbolo, uma imagem. Conforme for olhando vai notar-se atraído por certas letras ao invés de outras. Algumas vão chamar mais a sua atenção. Brinque com as letras, forme símbolos. Corte pedaços, misture, mexa. O sigilo é seu e é aqui que a sua intuição é a chave.

Aqui deixo o exemplo de como ficaria o sigilo desta frase usando, por exemplo, o Sigilscribe:

 
Nem parece o mesmo, não é?


E pronto, a criação de um sigilo está feita. Porém, como indicado, o processo não será apenas isso. É necessário proceder posteriomente à activação (ou invocação, consagração, etc. Existem vários termos) do sigilo. E esse será o tópico que iremos falar sobre no próximo artigo: a Activação do Sigilo.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Roda do Ano - Ostara


Data Tradicional: 21 de Março (No Hemisfério Norte) e 21 de Setembro (No Hemisfério Sul)

Data Astrológica: Sol a 0º de Áries (HN) ou Sol a 0º de Libra (HS)

Ostara (pronuncia-se “ohstára”) também chamado de Equinócio da Primavera ou Equinócio Vernal, é um dos Sabbats menores e é festejado, tradicionalmente, no dia 21 de Março (no HN) e no dia 21 de Setembro (HS). Astrologicamente ocorre quando o Sol está a 0º de Áries no Hemisfério Norte e a 0º de Libra no Hemisfério Sul.

Ostara, etimologicamente, terá origem no nome de uma antiga Deusa Celta chamada "Eostre" referida nos textos "De Temporum Ratione" escrito por um monge chamado Bede no ano de 723. O equinócio da Primavera assinala o momento em que a noite e o dia têm a mesma duração e, a partir deste momento, os dias serão mais longos e as noites mais curtas. Assinala o ínicio da Primavera e o fim do Inverno. As flores começam a florir, o verde surje nos campos, as folhas voltam ás árvores e até os animais sentem esta mudança ao nosso redor. Nós próprios, inconscientemente, sentimos as alterações dos ciclos da Terra. Começamos a sentir-nos mais dinâmicos e com mais força de vontade, devido à maior exposição ao Sol e a toda a energia de "renascimento" que se sente no ar.
Ostara é a polaridade do festival de Mabon, o Equinócio do Outono. Isto significa que enquanto neste momento do ano entramos no Primavera e iniciamos a jornada para a parte mais solarenga do ano, no pólo oposto, temos o começo do Outono e a entrada no caminho para a parte mais escura do ano.

Na Península Ibérica esta celebração sazonal era marcada por práticas representativas da despedida do Inverno como, por exemplo, a "serração da velha" que é praticada na altura do Carnaval e um pouco antes da Páscoa, dependendo em que altura a Páscoa calha no calendário. Também a Páscoa, se afirma, veio buscar inspiração para as suas celebrações às práticas do Equinócio da Primavera como os ovos coloridos e o famoso Coelho da Páscoa. Tanto os ovos como os coelhos são símbolos de fertilidade e associados às divindades primaveris, como Eostre.

Algumas das tradições e práticas comuns para muitos praticantes deste festival é pintar os ovos com cores variadas e realizar jogos, principalmente para os mais novos. Também contar mitos associados a esta altura do ano é uma fantástica forma de celebrar (por exemplo o Mito da Subida de Perséfone do Submundo, da mitologia grega, em que Perséfone volta para a superfície e as flores voltaram a florescer). Outra prática fantástica para simbolizar esta celebração e que contribui muito para o bem-estar da Terra é semear plantas e árvores, aproveitando as energias da Primavera e dos novos começos para iniciar as novas vidas das nossas plantas. Aliás muitas plantas têm como época de plantio o começo da Primavera.

No seu altar pode colocar várias flores de muitas cores, ovos coloridos e velas coloridas também. As melhores flores associadas a este festival são, por exemplo, o cravo vermelho, a rosa, o trevo e outras flores que recordem a Primavera. Recordamos que a prática de cada um é também muito construída com base na intuição pessoal e o que coincide connosco. Não tenha medo de arriscar!

Outra dica para esta altura do ano é aproveitar para realizar trabalhos mágicos (feitiços, encantamentos, sigilos, etc.) relacionados com novos crescimentos ou empreendimentos, cura, limpezas e começos de novos caminhos. Se esta à espera para iniciar um novo projecto, aproveite a Primavera e as suas energias, sem dúvida terá sucesso!